Cancro Hereditário

 No mundo inteiro, milhões de pessoas vivem com o diagnóstico de cancro. São cada vez mais os conhecimentos das suas causas, sobre a forma como se desenvolve e cresce e os avanços científicos de forma a detectar, prevenir e tratar um cancro. Porém nem todos os cancros são mutações espontaneas...sao também heranças de geração para geração

Muitos médicos, em Portugal, estão a realizar ensaios clínicos, em voluntários, para tentar descobrir e testar novos modos de prevenir, detectar, diagnosticar e tratar o cancro. Estão, também, a ser estudadas as causas do cancro, bem como os efeitos psicológicos da doença e modos de melhorar o conforto das pessoas com cancro e sua qualidade de vida.

O que é o cancro?

  A células de cada indíviduo crescem, dividem-se, envelhecem e morrem sendo substituídas por outras. Contudo por vezes o processo de divisão células é afectado devido a mutações, de modo que as células se começam a reproduzir descontroladamente, ao mesmo tempo que as células velhas não morrem. É a este conjunto de células extra do organismo que se dá o nome de tumor.

 Não podemos afirmar que um tumor e um cancro, de facto pode não o ser se se tratar de um tumor benigno.

 Este tipo de tumores raramente põem a vida em risco, pois a maior parte regride e em casos mais extremos pode-se recurer a sua remoção. Este tipo de células não se “espalha”.

 Os tumores malignos já adquirem uma nova perspectiva e forma de tratamento, sendo já considerados cancros. São mais graves que os benignos porque podem por em causa a vida do ser humano. Embora se recorra a sua remoção, este pode voltar a a crescer  entrar na corrente sanguínea ou no sistema linfático formando novos tumores noutros orgãos e tecidos danificando-os -metastização

 

Factores que provocam o cancro

 Com o avanço na ciência foi possível identificar vários agentes responsáveis pelo desencadeamento de tumores.

 O envelhecimento é o factor mais importante pois na maioria dos casos ocorre o aparecimento de cancros a pessoas com mais de 65 anos. O tabaco é uma fonte de cancro de pulmão que se pode evitar, em Portugal, todos os anos morrem 3100 pessoas com esta doença.  As radiações ultra violeta  e a radiação ionizante podem provocar o envelhecimento da pele e alterações nesta que levam ao aparecimento de cancro. Determinados produtos químicos contidos em alimentos ou até mesmo aos quais somos expostos no meio ambiente podem desencadear alterações no sistema celular, tal como alguns virus e bactérias. Beber mais de duas bebidas alcoólicas por dia, durante muitos anos, aumenta o risco de originar cancro da boca, garganta, esófago, laringe, fígado e da mama. Por fim as pessoas que fazem dietas pobres e têm falta de  actividade física ou excesso de peso, tem mais hipóteses de desenvolver esta doença.

                                                    

O cancro hereditário... também existe?

 

 De facto os cancros herditáios são raros, porém é possível verificar a sua existência. Algumas alterações genéticas que aumentam a hipótese de cancro são passadas de pais para filhos, na altura do nascimento esta alteração já está presente em todas as células do bebé.

 

 

Existem uma série de indícios  que sugerem este cancro "familiar":

    Mais de duas pessoas com cancro na família;

    Idade prematura de diagnóstico;

    Tumores primários múltiplos;

    Cancros em orgãos duplos (ex:mama)

    Presença de vários cancros no mesmo paciente;

    Constelaçao de tumores e de outras anormalidades;

    Transmissão de geração em geração.

Os principais cancros herditários que ultimamente se têm vindo a verificar mais são o melanoma e o cancro da mama, ovário, próstata e cólon.

 No entanto é de ter em conta que os factores externos também podem estar envolvidos e os casos múltiplos presenciados numa família podem não passar de mera coincidência. E é ainda de salientar que o facto de uma pessoa herdar uma alteração genética deste tipo, não signiica que irá ter cancro mas sim uma maior hipótese de o vir a desenvolver